Pulgas e Carrapatos em Cães e Gatos: entenda melhor esse problema!


As pulgas e carrapatos constituem uma enorme dor de cabeça para os proprietários de cães e gatos.

Mesmo com a disponibilidade de diversos e eficientes carrapaticidas e pulgicidas, estes minúsculos parasitas têm conseguido prevalecer e infestar ambientes e animais.

O problema, entretanto, vai muito mais além daquele tradicional incômodo e a interminável coceira dos pets.

Tanto as pulgas quanto os carrapatos podem trazer um série de doenças aos nossos melhores amigos.

Neste artigo vamos conhecer melhor quem são essas criaturinhas e os males que trazem consigo.

Qual a diferença entre pulgas e carrapatos?

Pulgas e carrapatos são membros do grande grupo de seres vivos dos artrópodes, porém possuem diferenças entre si!

As pulgas são insetos ápteros (sem asas), dotadas de 3 pares de patas adaptadas para o salto e corpo dividido em 3 partes: cabeça, tórax e abdome.

Os carrapatos, por sua vez, são aracnídeos (sim, parentes das aranhas!), possuindo 4 pares de patas e corpo dividido em apenas 2 partes: cefalotórax (junção da cabeça com o tórax) e abdome.

 Ambos são hematófagos, ou seja, sua dieta é exclusivamente composta por sangue, e são parasitas obrigatórios, não sobrevivendo sem um hospedeiro do qual possam se alimentar.

Curiosamente, a pulga de maior importância veterinária é a pulga do gato (Ctenocephalides felis), que infesta tanto os felinos quantos os cães.

Em ambientes urbanos, o carrapato vermelho (Rhipicephalus sanguineus) é o mais importante, e infesta principalmente o cão e eventualmente o gato.

Mas as pulgas e carrapatos representam perigo para os seres humanos?

Essa é uma grande preocupação dos proprietários!

Os carrapatos da espécie Rhipicephalus sanguineus não parasita humanos, porém as pulgas podem sim atacar as pessoas na ausência de hospedeiros animais no ambiente em que estão.

Exemplos de grande infestação de carrapatos em cães. As orelhas e espaços entre os dedos são alguns dos locais preferidos por esses parasitas.Infestação de pulgas em um gato. Os proprietários podem ter dificuldade de achá-las no felino pois o hábito de limpeza destes animais remove grande parte dos insetos.

E quais são os malefícios que as pulgas e carrapatos podem trazer para os animais?

A primeira coisa que se pensa quando se fala em pulgas (principalmente) e carrapatos é o prurido (coceira) que deixa os bichinhos inquietos e incomodados, além da perda de pelos que é consequência dessa coceira.

Além disso, o próprio hábito alimentar dos parasitas pode causar anemia, ou seja, diminuição das células vermelhas do sangue, dependendo da magnitude da infestação.

Para se ter uma ideia, cerca de 70 pulgas consomem por dia 1 ml de sangue!

Agora imagine isso dia após dia, em um animal infestado? É uma quantidade de sangue perdida considerável.

Os carrapatos vermelhos são transmissores de duas doenças importantíssimas aos cães, as famosas “doenças do carrapato”: erliquiose (causada pela bactéria Ehrlichia cani) e babesiose, (causada por protozoários do gênero Babesia).

São enfermidades sérias e que podem levar o animal ao óbito, se não tratadas adequadamente.

Atenção para os donos de pastores alemães, pois é uma raça particularmente sensível à erliquiose!

E as pulgas também não ficam para trás! Em cães e gatos sensíveis, podem levar à dermatite alérgica a picada de pulga (DAPP), que se trata de uma inflamação da pele marcada por intenso prurido e queda de pelos, principalmente nas coxas, dorso e abdome. E basta apenas uma picada para desencadear a crise no animal.

Esses insetos também são vetores do verme Dipylidium caninum, uma pequena tênia que atinge o intestino de cães e gatos, e também transmitem aos bichanos uma doença chamada hemoplasmose (antes chamada hemobartonelose), semelhante à babesiose dos cães, sendo causada pela bactéria Mycoplasma haemofelis.

Tendo em vista tudo isso, não resta dúvida que a prevenção é melhor caminho.

E prevenção neste caso refere-se ao controle da população desses pequenos parasitas, não só no animal, mas também no ambiente (essencial!).

Calcula-se que as pulgas e carrapatos presentes no animal representam apenas 5% de toda a população e os 95% restantes estejam no ambiente.

Portanto, os proprietários devem levar seus pets ao médico veterinário, pois o profissional os auxiliará a definir qual a melhor estratégia de controle de acordo com o perfil do cliente, além de fazer um check-up geral no animal, a fim de detectar as doenças acima citadas e tratá-las, caso presentes.


Autora do artigo: Médica Veterinária Camila de Castro Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *