Piometra em Cadelas e Gatas: Quais os Riscos e Como Tratar?


Muitas pessoas acreditam que a piometra em cadelas e gatas é um câncer, mas não é! Já outras pessoas imaginam que o acasalamento pode  prevenir a piometra em cadelas e gatas, mas isso é outro engano!

Alguns tutores confundem o sangramento vaginal prolongado de suas cadelas e gatas com o cio, retardando assim o diagnóstico da piometra.

Mas o que é na verdade a piometra?

A piometra, em cadelas e gatas, é uma infecção bacteriana caracterizada pelo acúmulo de pus no interior do útero.

Pode ser classificada como fechada (sem a eliminação do pus pela vagina, dilatando o útero) ou aberta (com a eliminação do pus pela vagina).

Toda cadela ou gata não castrada está sujeita a desenvolver essa doença, que geralmente acomete os animais de idade média a avançada, e/ou que já tenham recebido doses de anticoncepcionais, ou que recentemente fizeram inseminação artificial, ou até mesmo que tenham cruzado naturalmente.

Quais o sinais clínicos da piometra em cadelas e gatas?

Os sinais clínicos podem aparecer 1 a 3 meses após o cio e variam de animal para animal.

Alguns podem apresentar distensão abdominal, perda de apetite, desidratação, ingestão excessiva de água, vômitos, apatia e corrimento vaginal de cor acastanhada ou purulenta.

Como se desenvolve a piometra em cadelas e gatas?

Ao longo de toda vida o útero das cadelas e gatas são influenciados pela ação hormonal, uma resposta anormal a exposição crônica e repetida a esses hormônios pode gerar uma alteração da camada interna desse útero e facilitar a migração, o acúmulo e crescimento de bactérias intrauterina.

Um útero normal é capaz de eliminar essas bactérias com as defesas locais, no entanto, num útero alterado essa defesa natural fica prejudicada e as bactérias se desenvolvem causando a piometra.

E quais os reais riscos que a piometra trás para cadelas e gatas?

Quando a piometra é fechada tende a ser mais grave, pois o acumulo de bactérias no útero pode ganhar a circulação sanguínea e se espalhar podendo até mesmo levar a morte.

Por isso, um diagnóstico prematuro faz toda diferença com relação à recuperação do animal!

Na maioria das vezes, a cura se estabelece mediante uma intervenção cirúrgica onde se retira os ovários e útero da cadela ou da gata.No esquema abaixo, representação à esquerda útero normal e à direita útero com piometra.

A cirurgia pode se tornar de risco quando a infecção estiver alta e causar alterações renais severas debilitando o animal, mas é a única forma de salvá-lo.

Nesses casos, a intervenção cirúrgica é uma urgência e deve ser realizada assim que o animal for estabilizado, com fluidoterapia e antibiótico.

A recuperação pós-operatória destas fêmeas é normalmente rápida, pois é totalmente eliminado o foco de infeção.

Portanto, procure seu médico Veterinário! E se você identificou alguns desses sintomas em sua cadelinha ou gatinha, agende uma consulta para verificar se realmente está tudo bem.

Lembre-se que a piometra pode ser fatal. E é uma doença que tem cura, mas a melhor forma de agir é com a prevenção, castrando seu animal.


Autora do Artigo: Médica Veterinária MSc. DSc Daniela Fantini Vale

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *